BEMVINDO!

Aqui encontram-se matérias de análise e opinião política, social, económica, cultural e outras feitas na perpectiva da Ética e do Direito com objectivo de participar na promoção de um debate aberto sobre as mais diversas questões humanas e sociais que são levantadas em Angola, em África e no mundo. Esperamos comentários, crítica construtiva e troca de opiniões e impressões de todos aqueles que nos visitam. Contacte-nos: jukulomesso@yahoo.com.br







segunda-feira, 4 de Julho de 2011

REFORMA DO CÓDIGO PENAL ANGOLANO

Albano Pedro

O Código Penal angolano que entra em discussão pública como ante-projecto pretende desfazer-se das “velharias” normativas aprovadas no remoto ano de 1886, ainda no contexto jurídico português inscrito na colonização de Angola. Ao longo de 3 séculos o Código Penal tem sido o eixo de todo o sistema jurídico-penal angolano cuja sistemática compreende a Lei Constitucional e diversas leis ordinárias em matéria penal. Com efeito, o sistema jurídico-penal se apresenta como o mais lento no que tange a sua auto-regeneração. Pois, conhecem-se poucos momentos, e muito pontuais, em que sofreu alterações, sendo de descartar qualquer reforma nesse sentido. É bem verdade que boa parte das previsões normativas desapareceu quer por desuso quer por revogação. Os crimes de duelo, desterro, crimes contra a religião do reino, crimes cometidos por abuso de funções religiosas e muitos outros, são disso exemplos bem patentes.
Há várias razões para considerar a reforma do Código Penal como uma das mais importantes no sistema jurídico angolano desde 1975 a par das reformas e alterações constitucionais. É a legislação comum ou principal de todo o sistema jurídico-penal angolano que trata de tutelar os valores fundamentais da sociedade sem os quais esta dificilmente sobreviveria; é uma legislação com um grau de absoletismo tal que por si só se tem tornado perigosa pelas lacunas que regista e pelos desajustamentos em relação a nova realidade social: não prevê inúmeros crimes tais como pedofilia, assédio sexual entre milhares de outros, não prevê penas alternativas às de privação de liberdade, quando essa não seja recomendável entre outras situações completamente equacionadas nos sistemas jurídico-penais modernos vigentes nos diferentes Estados da comunidade internacional.
O ante-projecto do Código Penal apresenta-se com uma Parte Geral contendo 7 títulos tratando da Lei criminal, do facto punível e consequências jurídicas, da queixa e acusação particular, da extinção da responsabilidade criminal, indemnização por perdas e danos, etc; o actual Código Penal apresenta apenas 2 títulos, tratando dos crimes em geral e dos criminosos bem como das penas e seus efeitos e as considerável. Segue-se, para o ante-projecto do Código Penal, uma Parte Especial contendo 8 títulos tratando dos crimes contra pessoas, família, fé-pública, segurança colectiva, o Estado, a Paz, o Património, o consumidor e o mercado. O actual Código Penal prevê 7 títulos tratando nomeadamente dos crimes contra a religião do reino e dos cometidos no exercício de funções religiosas (obviamente com normas ora caídos em desuso ora revogados); dos crimes contra a segurança do Estado (revogado pela Lei 7/78 de 26 de Maio – que vigorou até antes da última alteração recentemente introduzida); dos crimes contra a ordem e tranquilidade pública; dos crimes contra as pessoas; dos crimes contra a propriedade; da provocação pública ao crime e das contravenções de polícia. Em matéria de dozimetria penal, no âmbito do ante-projecto do Código Penal, a extensão temporal para as penas máximas de privação de liberdade mantêm-se em 24 (vinte e quatro) anos, sendo preterida a opção pelas penas de prisão perpétua e pena de morte. Esta última com proibição consagrada no texto constitucional. As penas de privação de liberdade (prisão) e pecuniárias (multa) são durante a vigência do Código Penal de 1886 as sanções cardiais a par das medidas de segurança. A nova proposta traz consigo novas sanções, algumas das quais procurando atender a uma visão economicista de sanção, i.e., procurando retirar do Estado a carga de custos com a manutenção do sistema prisional. Entre elas se encontram as prisões em fim-de-semana, prestação de trabalhos sociais ou comunitários. Prevê-se ainda a possibilidade de suspensão da execução da pena, a admoestação entre outras que vigoram na maioria dos sistema jurídico-penais modernos em todo o mundo.
A reforma do Código Penal traz um problema a ponderar: a previsibilidade do feitiço como conduta criminal fartas vezes aludida pelas diversas comunidades. O feitiço tem sido uma importante causa da violência contra a criança e reclama um enquadramento legal para o seu tratamento pelas autoridades. É verdade que hoje ele é visto no quadro dos efeitos que dele resultam (violência provocada contra o acusado) que como tal se lhes destinam medidas penais correspondentes bem patentes da Legislação em vigor. Contudo, as comunidades e as respectivas autoridades tradicionais reclamam da necessidade de consagração desta conduta em concreto. O que nos oferece comentar a propósito é que a luz do sistema jurídico adoptado em que a Lei constitui o mecanismo mais importante do Direito inutilizando o Costume que lhe não seja compatível, não é possível a consagração do feitiço como conduta normativa sujeita a sanção. Não só pela dificuldade de acesso aos meios de prova como pelo facto de constituir uma conduta de cariz costumeiro questionável do ponto de vista fáctico, i.e., com um sentido de realidade pouco clara ou cientificamente inexistente. Contudo, é uma batalha perdida ao nível da própria constituição e de todo o sistema jurídico angolano. Aqui as comunidades são chamadas a adoptarem medidas locais correspondentes ao tratamento adequado ao fenómeno em causa ponderando sempre a necessidade de acautelar a própria Lei, i.e., procurado não violá-la. Não é de negar a imperiosa necessidade de um esforço de compilação e harmonização sistemática do Direito angolano que receba as condutas costumeiras com fortes implicações sociais nas comunidades locais e que de uma maneira geral sejam identificadas no contexto social nacional, isso passa pela “nacionalização” dos valores normativos da constituição e de todo o sistema jurídico angolano que compreende padrões culturais ocidentais (herdados do processo de colonização) em detrimento da realidade cultural dos angolanos.
O debate a volta do ante-projecto do Código Penal, quanto a nós, pode ter dois níveis. Um em que se pretenda buscar o pensamento generalizado dos cidadãos e sociedade civil – que é o que vai em curso; e outro em que se pretenda destilar uma contribuição mais profunda e sistematizada que é aquela que deve ser criada junto das universidades através dos cursos de Direito e afins em que os estudantes (finalistas e semi-finalistas) organizados em comissões de trabalho (por iniciativas das respectivas associações de estudantes ou das direcções) compilariam uma versão própria do Código Penal que seria depois levada a debate junto dos restantes estudantes. Teríamos assim as universidades (públicas e privadas) a desempenharem o seu papel de garante da rigorosidade técnica e científica no desenvolvimento da sociedade e sobretudo facilitando as opções técnicas da maioria dos angolanos interessados na actualização do Código Penal.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Realmente, em Angola, precisamos erguer mais os estudos sobre o Direito, sobretudo no que tange a trabalhos de investigação científica, tal como apontaste no texto "O ensino do Direito em Angola". É fundamental que as Universidades (mormente as faculdades de Direito) tenham uma participação fundamental na construção do Direito enquanto um processo social.
    A questão do feitiço é, de facto, uma questão de que deve ser tratada "cum grano sales", muito por conta do que já acima disseste: impossibilidade de uma explicação de supedâneo científico. E estas questões, do feitiço por exemplo, são as grandes discrepâncias dos valores ocidentais da Europa e os "ocidentais" de África, pelo fato de estes últimos necessitarem de alguma adaptação à realidade nacional ou continental.

    ResponderEliminar